4 Dicas para Recusar Oportunidades e Ainda Assim Sair Ganhando

Saber como e quando dizer “não” é uma habilidade essencial se você deseja manter a sanidade mental ao longo da sua carreira.

A profissão programador é baseada na prestação de serviços, e quanto mais experiência e reconhecimento você conquista, mais surgem oportunidades — boas e ruins.

Só que o tanto de furada que me meti nos primeiros anos de trabalho por não saber recusar algumas oportunidades ruins me custou muito tempo, dinheiro e reputação.

Com o passar dos anos eu criei critérios melhores de seleção e aprendi que, quase sempre, você pode recusar prestar determinado serviço e ainda assim sair no lucro.

Eu explico:

1 . Entenda que toda oportunidade é uma chance de criar um relacionamento com alguém da sua área #

Quando eu digo “recusar serviço e sair no lucro” não estou dizendo que você vai recusar um frila e ainda assim essa grana vai cair na sua conta, né.

Mas você pode e deve aproveitar essa chance para criar um relacionamento profissional com a pessoa que entrou em contato.

Boas equipes são difíceis de montar, e mesmo que você não vá fazer parte dessa, é importante conhecer quem montou. — Photo by Climate KIC on Unsplash

Ou seja, se a oportunidade não está nos seus padrões mas você conhece alguém que se encaixe, seja prestativo e apresente alternativas. Certamente essa pessoa vai ficar grata e lembrar muito bem de você pelo gesto.

E você nunca sabe onde a pessoa que está pedindo ajuda agora vai estar no futuro. Abrace todas as oportunidades possiveis para networking.

2. Busque detectar e recusar oportunidades ruins antes que seja tarde demais! #

Imagine que você pegou um frila e recebeu por 60 horas de trabalho.

Agora imagine que, por fatores que você definitivamente poderia ter previsto, esse frila te custou 120 horas + dor de cabeça + sujou seu nome no mercado.

:( — Photo by Justin Veenema on Unsplash

Era melhor nem ter pego esse trabalho, né? E eu tenho certeza que você já passou por algo similar.

Se você segurar a ansiedade, conhecer quem está solicitando seus serviços e entender a natureza do projeto antes de responder, com certeza vai tomar uma decisão mais acertada.

O mesmo vale para novos empregos: faça o máximo possível de perguntas na entrevista, tente conversar com alguém que já trabalha lá, estude o histórico da empresa.

3. Mantenha portas abertas — desde que elas levem para algum lugar #

A não ser que a proposta seja um verdadeiro insulto, vale a pena ser o mais educado possível e dizer “não” explicando os motivos da resposta.

Essa porta, por exemplo, aparentemente não leva para lugar nenhum. — Photo by Philipp Berndt on Unsplash

Provavelmente a pessoa que está buscando seus serviços tem problemas para resolver e, ainda que não seja o ideal para você agora, talvez nos próximos meses surja uma oportunidade que seja mais adequada para o seu tempo/qualificações.

4. Transformando uma oportunidade ruim em uma oportunidade boa #

Antes de recusar completamente uma chance, tente entender os interesses que motivaram um cliente/recrutador entrar em contato com você.

Se esse cliente/recrutador tem um certo nível de autonomia, pode ser muito vantajoso tentar encontrar um caminho que seja bom para as duas partes.

Quem quer da um jeito! (quase sempre) — Photo by Joseph Pearson on Unsplash

Por exemplo: recuse um determinado salário mas se mantenha aberto para negociar benefícios, recuse um frila de desenvolvimento de app nativo e proponha algo mais simples e que te traga um retorno melhor pelo seu tempo.

Lateral thinking dá muito mais trabalho que simplesmente recusar, mas talvez você encontre uma brecha grande o suficiente para virar o jogo e transformar uma oportunidade ruim em boa.


Concluindo #

“Oportunidade” é uma palavra que soa naturalmente bem. Afinal, é horrível imaginar um cenário onde você simplesmente não tem oportunidade nenhuma.

No entanto, seu tempo, energia e paciência são recursos finitos e inevitavelmente você vai ter que recusar algumas chances durante a vida, para o seu bem e para o bem de quem entrou em contato.

Cabe a você conhecer os seus limites profissionais e desenvolver um detector pessoal de furadas. É uma tarefa difícil mas com o tempo você aprende.

Feito isso o segredo é dizer “não” da melhor maneira possível, seguindo sua experiência e as dicas acima!